sexta-feira, 3 de junho de 2011

não esqueci o tom

2005

Hoje eu fui lembrada daquele meu passado tão remoto e que faço tanta questão de "esquecer". E as feridas, que geralmente estão esquecidas e com aparência de fechadas e bem tratadas, sangraram de novo. Com a mesma intensidade que sangravam naquela época. Assim... Essas coisas bobas que uma criança sofre na quinta série e não consegue apagar. São essas feridas profundas que carrego comigo e o tempo não conseguiu cicatrizar. Aí quando olhei para o lado eu vi... Todo o amor de quem faço questão de carregar hoje comigo. Esse amor que de tão grande superou barreiras como a vergonha e o orgulho que criei para a auto-defesa. Senti e continuo sentindo. E só posso dizer que meu bem mais precioso hoje é vocês. E que não largo isso por nada. Obrigada meu amores.

A pior coisa é revirar o baú e a poeira ter cheiro de ódio.  


Isadora Peres.

13 comentários:

  1. medo! estava eu agorinha mesmo vendo fotos do tempo de escola... de amigos eternos...

    *___*

    sem feridas.

    ResponderExcluir
  2. Mesmo assim é esse passado que nos torna o hoje. Guardar mágoas e ódio só faz mal pra a alma de que os carregam. Deixe-se ser feliz pela as pessoas maravilhosas que floriram teu jardim e perfumaram tua vida.
    Cuida de ti!

    Flores!

    ResponderExcluir
  3. Eu queria contrariar como sempre faço, mas hoje eu te entendo por completo, tanto nas feridas, quanto na proteção que se cria pra poder levar a vida. As coisas nem sempre são fáceis, nem só de brigadeiros e mpb é feita a vida. Há dias de jiló e esses, eu deixo pra trás. Talvez o segredo é tentar entender o porquê. Pra mim, e só cabe a mim (eu sei que vocÊ achará os seus), o porquê de terem me feito algum mal foi falta de amor e carinho, falta de um céu azul bem gostoso como tapa na cara. Por isso hoje eu jogo tanto amor por aí, mesmo a quem não mereça. Semeio o que falta e se ainda falta, que Deus se compadeça.


    Um beijo em você, meu anjo!

    ResponderExcluir
  4. É Celo... É como uma amiga minha com quem conversei sobre isso me falou: As vezes temos que agradecer por ter sofrido na infância, porque isso nos fez o somos hoje. E não temos vergonha do que somos. Talvez se tivessemos sido os bãbãms da turma seríamos completamente horríveis hoje...
    E Lú, eu tô tentando me desapegar desse ódio e raiva. Tô tentando, haha.
    Você tem muita sorte, Fil! Sério mesmo! rs.

    Beijos, lindos!

    ResponderExcluir
  5. Isa, meu amooor.
    Estou morrendo de saudades *-*
    Sabe né, ando total sumida, e nunca mais apareci por aqui para elogiar sua arte. Mas enfim, tentarei vir na medida do possível. E jamais abandonarei seu blog \õ/

    Beijões querida :D

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Cara, eu não sabia disso. Ok não sei de muita coisa, mas é assim mesmo.
    Eu também agradeço por ter me ferrado quando mais nova porque agora aguento muito mais. E tentar deixar a raiva e o ódio que a gente adquiri nessas épocas é foda e eu ainda não consegui, mas hoje em dia não me importo mais com isso. Uma hora a gente supera.
    Ps: eu tava vendo seu post com uma amiga e quando ela viu o título perguntou " Quem é Tom? " KKKKKKKK
    tá tudo lindo por aqui.

    ResponderExcluir
  8. ora, as vezes o aroma é doce, cheiro de uma saudade boa, gostosa de sentir...

    ResponderExcluir
  9. Carol, muito obrigada. Você como sempre me compreendendo, né?! E eu ri quando voce falou da sua amiga hahahaha!

    É, Kirah... Quem dera pudessemos apagar certos aromas da memória.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Gregory Vincent Oliveira13 de junho de 2011 00:22

    Nada pior para um escritor perder sua inspiração. Hoje eu encontrei seu blog e ao ler seus textos, encontrei uma inspiração momentânea, mas suficiente para terminar uma ou duas crônicas a muito esquecidas =P.

    Obrigado e parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Ahh, que bom Gregory! Fico feliz que tenha encontrado inspiração por aqui, afinal nada melhor do que terminamos projetos inacabados, né? haha.

    Beijos, e obrigada eu.

    ResponderExcluir
  12. Sabe que eu amo nostalgia?! Adorei seu texto, apesar de algumas coisas eu não ter entendido bem, pois obviamente são coisas pessoais suas. Mesmo assim, gostei.
    O que me deixou mais intrigada, foi a última frase. E também admirada, foi muito criativa Isa!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Adoro nostalgia também, Bell. Mas confesso que prefiro o dejàvú hahaha! É, tem umas partes dele que estão bem confusas... Mas é o tipo de texto que não me dou ao trabalho de arrumar, sabe? Aquele texto que só de ser escrito cansa a alma, sabe? hahaha. Bem desses, esse aí. Enfim, obrigada!

    Beijos!

    ResponderExcluir

Assine também!